0 25 anos de muita história



Hoje*** eu faço 25 anos e por mais que a gente saiba que, no fundo, nada muda e que o próximo ano pode ser bem parecido com o anterior, dá aquela sensação de “já tenho um quarto de século de vida. E agora?”.

Esse ano, no entanto, eu fiz questão de fazer diferente: Eu pedi demissão no lugar onde trabalho desde 2012.

Nem consigo acreditar.

Passei no mestrado no final de 2015 e, em março de 2016, vou ter uma rotina inteiramente nova.

Em dezembro parecia que eu estava a pelo menos um quilômetro desse abismo e, agora, eu acabei de pular dele. Eu, que sou totalmente preocupada, ansiosa e desesperada com tudo e qualquer coisa pulei de olhos fechados. Em queda livre.

Acredito que na vida temos um determinado período de tempo pra investir em todas as coisas. E o tempo que eu tinha pra aplicar nessa etapa se esgotou. Eu não tomo essa decisão pensando que tudo obviamente vai dar certo com certeza, mas sim que isso é exatamente o que eu tenho que fazer agora.

Quem depende do trabalho pra viver sabe o quanto é difícil tomar esse tipo de decisão. Ela implica em aperto financeiro, diminuição da nossa liberdade e independência. Mas, ao mesmo tempo, um pouquinho de coragem não pode fazer tão mal. Se você tem um plano, se você tem apoio, se você tem certeza... apenas vá.

Não dá pra garantir que coisa alguma nessa vida vá dar certo. Nem ficando, nem partindo. Então, porque não tentar?

Eu não consigo pensar em um decisão mais clara e consciente que eu tenha tomado na vida. E, vou escrever isso aqui caso um dia eu super quebre a minha cara só porque eu quero lembrar de como eu me senti hoje.

Nosso objetivo na vida é compreender a nós mesmos e ir atrás daquilo que nos faz bem e entender que certas coisas têm data de validade: relacionamentos, empregos, hábitos. E funciona exatamente como comida: você pode tentar tomar um iogurte fora da validade, mas ele também pode acabar te fazendo muito mal. Porque o tempo dele passou.

Outra coisa importante: Emprego não te define. Não define teu caráter, teus valores, tua qualidade como ser humano. Dedicar alguns meses ou anos em outro projeto prioritário de vida que não seja um “emprego tradicional” é absolutamente normal.


Por último, mas não menos importante: você tem que esvaziar tua cabeça, tua rotina, tua vida das coisas cujo prazo de validade já venceu pra finalmente receber “o novo”. O mundo não para. E ele não vai te deixar “vazio” por muito tempo. Por causa disso, não tenha medo de se abrir, de fazer diferente, de deixar algumas coisas pra trás. Logo você vai se encontrar em outras situações que você nem poderia imaginar há um mês atrás quando você estava vivendo no piloto automático.


Hoje é um dia horrível e maravilhoso. Um dia de lamento e de agradecimento. E eu não quero me esquecer dele nunca, nunca, nunca.

***Escrevi esse post no dia 25 de janeiro, meu aniversário.
Comentários
0 Comentários

Comentário(s)

Nenhum comentário:

Postar um comentário